Oster na Cozinha do Quintal com Caldo Verde


Atendendo a pedidos dos leitores que querem receitas de sopa para o frio!! E aproveitando para apresentar a mais nova parceria da Cozinha do Quintal, a Oster!

Recebi um lindo liquidificador para testar e contar para vocês o que achei. E nada melhor do que uma sopa bem quente para provar a resistência de um liquidificador, certo?


Adorei a cor cereja, o copo é de vidro super resistente, a tampa encaixa bem e não deixa o conteúdo vazar, mesmo na velocidade mais alta e com o copo bem cheio. Alternar as velocidades é fácil e a gente ainda pode escolher a direção de rotação da lâmina, para baixo ou para cima. O copo é bem grande, cabe 1,5 litro.


As lâminas são bem afiadas, vou conferir o desempenho dessa parte depois e conto para vocês. Imagino que triturar amêndoas, amendoim ou outros grãos duros seja fácil com elas.



Gostei do encaixe do copo, que é bem fechado, mesmo quando a gente derruba líquido não corre o risco dele entrar no motor do aparelho.

Agora que vocês já viram o liquidificador, vamos para a receita?

Caldo Verde

6 batatas médias descascadas e cortadas em fatias
75g de bacon em cubinhos
2 paios
4 linguiças portuguesas
1/2 maço de couve
3 dentes de alho
1 cebola picada
1/2 xícara de salsa
1/2 xícara de cebolinha
sal a gosto

Em uma panela grande coloque um fio de óleo e frite bem o bacon, até dourar. Retire e coloque sobre uma peneira de metal com um recipiente embaixo para colher a gordura ou deixe sobre papel toalha.

A seguir, coloque as linguiças, aos poucos, fritando bem. Vá retirando e colocando sobre a peneira. Faça o mesmo com os paios. Quando terminar, retire a gordura da panela, coloque em um recipiente para esfriar e depois descarte.

A seguir, na mesma panela, coloque o alho e a cebola e deixe dourar, mexendo constantemente, a cebola deve ficar transparente. Adicione as batatas e água suficiente para cobrir. Assim que levantar fervura, abaixe o fogo e cozinhe tampado, ou na pressão, até as batatas amaciarem.

Quando as batatas estiverem prontas, bata no liquidificador, alternando com o caldo. 



Vá despejando em uma panela grande. Não reparem na minha panela velha de guerra, ok?


Ao terminar de bater, coloque as linguiças, o paio e o bacon que estavam escorrendo e leve ao fogo. Embora tenha carnes mais gordurosas, a sopa fica leve quando a gente retira o máximo possível da gordura. Já acostumei tanto que faço sempre assim.


Adicione a couve cortada bem fininho, corrija o sal se necessário, pois as linguiças e o bacon são bem salgados. Acrescente a salsa, a cebolinha e se desejar, orégano e outros temperos que gostar.

Abaixe o fogo e deixe cozinhando, mexendo de vez em quando, até a couve ficar macia.

Se necessário acrescente mais água, a consistência do caldo verde não é muito grossa e encorpada, pelo contrário, é leve e fluida. 

Sirva bem quente com um fio de azeite em cima.


Rendeu 6 litros de caldo verde. Uma delícia!

Fiz um pequeno vídeo para mostrar:


Se você está lendo por email, clique no link para ver o vídeo:
http://youtu.be/Sjdo6eZ10b4


Serviço:
Oster do Brasil
Site: http://www.osterbrasil.com/
Facebook: https://www.facebook.com/OsterBrasil
                                            Instagram: @osterbrasil


Este post é um publieditorial. A Cozinha do Quintal usa e recomenda produtos Oster.

Bagunça na Cozinha, com filhos e saudades

Curta muito seus filhos, netos, sobrinhos, afilhados, priminhos, filhos dos amigos, crianças, crianças... enfim, curta o máximo possível!! Porquê elas crescem, a gente envelhece, o tempo passa...

Semana dessas que eu fiz as panquecas, lembram? A moçada foi pra cozinha comigo e foi muito bom poder ensiná-los a fazer uma boa refeição caseira, saborosa e fácil. Eles adoraram. Aos poucos estou ensinando, acho importante saberem se virar em qualquer situação.

No meio da bagunça, em que a gente cozinha, ri muito, brinca e conversa, posamos para fotos, eu que não gosto muito de aparecer fui convencida por eles rsrs

Quando vejo meus filhos, penso nas pessoas em que eles estão se transformando. Cada um com as suas particularidades e personalidade, cada um já desenhando o futuro, expressando suas vontades e sonhos.

E penso muito na minha parcela de "culpa" nisso tudo - culpa porque nós, cristãos, temos mania de nos sentirmos culpados, até quando estamos felizes, né??

Enfim, voltando... penso no quanto as minhas escolhas são importantes para eles, no quanto é bom poder fazer parte de uma família...

Esta semana também falei do Revolution Day, movimento pela valorização da alimentação saudável nas escolas que é promovido pelo Jamie Oliver, que admiro profundamente por ser um cara como qualquer outro, envolvido no seu mundo, procurando melhorá-lo, fazendo a sua parte.

Todo mundo tem falado nestas questões, mas o que devemos refletir de verdade é: até que ponto estamos proporcionando experiências felizes aos nossos filhos? Até onde vai o tempo do trabalho e começa o tempo da família? Porquê não fazemos mais? O que será que falta - tempo, vontade, ânimo? Você já parou para pensar nisso? No tempo que passa, na vida como ela é, nas coisas que podem ser mudadas?

Eu não abro mão da oportunidade de estar com eles. Troco qualquer coisa por esse privilégio!

Hoje foi um dia triste, pois meu sogro foi pro céu. Uma pessoa boníssima, a quem devo muito e que, graças a Deus, pude reconhecer isso e agradecer enquanto ele estava do lado de cá.

Resolvi postar hoje, em meio a tantos sentimentos, por perceber que o maior de todos é a gratidão.

Penso que no futuro, seja ele amanhã ou daqui a 40 anos, pois só Deus sabe o quanto estaremos aqui, gostaria que meus filhos tivessem as lembranças desses momentos, do quanto eu valorizo a cada um deles, os amo e espero que se tornem pessoas de bem, felizes e equilibrados, que tenham uma vida plena, como eu tenho, não rica materialmente, mas rica em experiências, aprendizados, emoções...

João, eu e Fernanda.


João, eu e Fernanda de novo =)

Um tango ensaiado na cozinha com o André e o João de "papagaio de pirata" rsrs


Eu, Fê e André com "cara maligna" de quem vai aprontar!

 Eu e a Fê, fotógrafa oficial da Cozinha do Quintal, tantas coisas em comum e muitas outras não rsrsr

Tem coisa melhor? Aproveito enquanto posso hahahaha

E uma última reflexão para quem chegou até aqui. Uma frase que ouvi há muito tempo atrás e que trago comigo sempre: "se você morresse hoje, alguém sentiria a sua falta?"

Bolinho de Batata ou quando o errado dá certo


O que eu queria fazer era batata rosti, quando a gente está fazendo um monte de coisas ao mesmo tempo é isso que dá, cozinhei as batatas além do necessário.

Foram 3 batatas grandes com casca e tudo, depois retirei a casca e passei pelo ralador na parte mais grossa.


Acrescentei um ovo batido, sal, uma cenoura crua ralada, três colheres de sopa de aveia em flocos, meia xícara de azeitonas verdes picadinhas (só porque eu tinha na hora), um pouquinho de farinha de trigo, apenas para dar ponto. Não medi a farinha, até porque achei que não ia dar certo mesmo rsrs

Temperei com tomilho fresco bem picadinho, fritei às colheradas em bastante óleo quente, escorri no papel toalha e tive a grata surpresa de saborear um bolinho delicioso.


Tão bom que não deu tempo de colocar todos no prato lindo da JO Decor para a foto, conforme fui fritando e tirando os ogros famintos aqui de casa foram comendo.

Uma coisa errada que deu certo e na próxima vez vou caprichar mais com um recheio, talvez presunto picado, frango desfiado, cubinhos de bacon ou queijo, já pensou o que dá pra variar?

Provavelmente você conhece ou tem uma receita especial de bolinho de batata, eu também tenho, mas esse improviso ficou muito melhor do que o esperado: crocante por fora, cremoso por dentro.


E me lembrei dos petiscos para a happy hour que a minha amiga Rachel do blog Na Biroskinha faz sempre! Ó Rachel, esse é pra você rsrs

Serviço:
JO Decor
Site: www.jodecor.com.br
Face: https://www.facebook.com/jodecor1



Prato Retangular com Detalhes em Relevo
Compre aqui 

Este post é um publieditorial.
A Cozinha do Quintal ama, usa e recomenda JO Decor.

Blogagem Coletiva: Piratas do Brasil





O único pirata bonitinho é o Johnny Deep do Piratas do Caribe. Só que ele é um personagem de ficção, não é real. Mesmo assim, se você parar para pensar, ele mente e rouba como qualquer pirata.

Quem resolveu botar o dedo na ferida novamente foi a Elaine Gaspareto, com um post lúcido sobre o assunto que você deve ler aqui.

Já falamos disso na Cozinha, leia o meu post sobre o "panelaço" que fizemos contra a falta de respeito na web aqui, falo disso o tempo todo, porque é um absurdo o que se faz e é preciso esclarecer e tomar as devidas providências.

As pessoas vão para as ruas reclamar e protestar contra um governo comprovadamente corrupto, ao mesmo tempo em que aceitam material alheio que é gentilmente "compartilhado" por nobres, por pessoas que querem reconhecimento pela caridade que estão fazendo ao ofertar conteúdo que não lhes pertence, como se fossem os distribuidores de bênçãos, e que muitos agradacem, pedem a Deus que abençoe e outras barbaridades semelhantes. Isso para mim é hipocrisia.

Muita gente me escreve reclamando das minhas apostilas, que não podem ser impressas, nem copiadas. Ora, se você não concorda com os meus termos de uso do material, é muito simples: não compre. É assim que eu quero e é assim que me cabe o direito de fazer. Da mesma forma no meu blog, não pode copiar. Se não está de acordo, procure outro.

Plágio, cópia, pirataria é CRIME, está no Código Penal, é fácil de comprovar e fácil de encontrar. A Justiça nesses casos funciona, o google funciona com as denúncias que fazemos, enfim, só pra resumir: fica feio para quem faz, fica feio para quem aceita!

Se você ainda não se convenceu, pensa assim: um belo dia eu vou na sua casa e resolvo trazer comigo algo que você tem. Pode ser uma coisa simples, como a almofada do seu sofá, pode ser algo mais importante, como o seu cachorro. Saio com ele debaixo do braço. E aproveito e dou para a primeira pessoa que aparecer na minha frente, porque, gente, coitada, ela não tem almofada nem cachorro, não tem condições para comprar!!! O que você faria?

Há um tempo atrás estava em um grupo no facebook e estavam disponibilizando apostilas do  Jurandyr Afonso. Quando eu falei que não podia, que tinha direito autoral, me excluíram do grupo.

E você pode dizer, ah mas que mal há se eu não vou revender? Não importa, você está recebendo algo que uma pessoa faz para vender, não para doar. Se fosse para doar, estaria definido, como tem milhões de coisas gratuitas que você pode baixar na internet (aqui mesmo no blog tem!!), mas o trabalho dele não, assim como o meu também não... Mesmo que não seja para revender. Mesmo que você vá ler de madrugada, sozinha na escuridão. Não pode. E receber esse material faz de você um conivente, um receptador. Ruim, hein?

O facebook é pródigo nisso, ele espiona tanto a nossa vida mas ainda não se deu conta desse detalhe, eu só digo o seguinte: com o tanto de reclamações de roubo de fotos, de conteúdo, breve será o dia em que o próprio facebook exigirá autenticação de autor para tudo.

Esta semana mesmo descobri uma empresa de fachada, uma falsa editora, que vende ebooks de todos os assuntos que tratamos aqui por 9,90. Quando comprei e recebi o material, a decepção foi inversamente proporcional ao preço, um jeito bonito de dizer que o material é um lixo. Como diz a minha avó, que Deus a tenha: quando a esmola é muita, o santo desconfia. Ou seja, além de copiar conteúdo alheio e vender como se fosse próprio, ainda lesa as pessoas por não entregar qualidade: não tem uma foto, não tem um passo a passo, nem uma explicação real, é só blá blá blá copiado aqui e ali.

Só para encerrar o post e não o assunto: não faça parte dessa quadrilha. Não aceite nem receba material alheio que está à venda de maneira gratuita, não compartilhe o que não é seu para compartilhar, mesmo que seja uma revista, um livro, uma foto de autoria desconhecida, continua sendo o mesmo: pirataria.

Não copie material alheio, qualquer que seja: um artigo de revista, um trecho de livro, uma letra de música, uma foto de comida, um post de um blog, uma apostila à venda ou não. Se você não sabe como fazer, não faça. Se quer divulgar, pergunte ao dono da informação, saiba como pode fazer e não saia por aí distribuindo e muito menos falando que é seu. Não pode. É crime, é feio, e se for o meu material, vai ficar mais feio ainda, olha só:

Art. 102. O titular cuja obra seja fraudulentamente reproduzida, divulgada ou de qualquer forma utilizada, poderá requerer a apreensão dos exemplares reproduzidos ou a suspensão da divulgação, sem prejuízo da indenização cabível.

Art. 103. Quem editar obra literária, artística ou científica, sem autorização do titular, perderá para este os exemplares que se apreenderem e pagar-lhe-á o preço dos que tiver vendido.

Parágrafo único. Não se conhecendo o número de exemplares que constituem a edição fraudulenta, pagará o transgressor o valor de três mil exemplares, além dos apreendidos.

Art. 104. Quem vender, expuser a venda, ocultar, adquirir, distribuir, tiver em depósito ou utilizar obra ou fonograma reproduzidos com fraude, com a finalidade de vender, obter ganho, vantagem, proveito, lucro direto ou indireto, para si ou para outrem, será solidariamente responsável com o contrafator, nos termos dos artigos precedentes, respondendo como contrafatores o importador e o distribuidor em caso de reprodução no exterior.

Informe-se, entenda a Lei do Direito Autoral.

E você, o que acha? Já foi vítima disso? Conte aí nos comentários, vamos ampliar a discussão. Quer participar? Escreva um post no seu blog com o mesmo título ou algo bem parecido e dê a sua opinião, conte a sua experiência. Pode deixar o link do post nos comentários também.




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Protetora da Cozinha do Quintal

Santa Clara

Santa Clara
Ilumine nosso caminho!

Ajude a FIC

Fraternidade Irmã Clara

Conheça uma casa especial
para crianças especiais!!

Estatísticas

Dias Online
Postagens
Comentários
Widget by Elaine Gaspareto

É proibido fazer cópias do conteúdo (imagens, textos, etc) da Cozinha do Quintal. Plágio (copiar) é crime previsto no artigo 184 do Código Penal Lei 9610.